A Fantástica História do Tesouro do Morro da Formiga 
Sinais cabalísticos deixados pelos Jesuítas foram dinamitados 

Por Augusto Chagas

20 Jul 2018
A
proveitando o feriado de Nossa Senhora dos Navegantes, dia 2 de fevereiro de 1962, fomos até o Pontal de Santo Antônio com o Guanabara Vodka. Os tripulantes eram: Danilo Assumpção, Roberto Teixeira (Barracuda ), Rudy Ahrons e Augusto Chagas.

Quando encostamos, dentro da alagada, no pontal, fomos ajudados por um pescador que estava acampado por lá. O que estranhamos foi que o camarada estava bem barbeado e falava português bem melhor que nós.
Naquele dia mesmo, o tempo foi virando e entrou uma frente sul que a gente não esperava.

Com aquele vento não dava nem para pensar em sair de lá. Resolvemos ficar e, como havia um barco de pesca maior ancorado no Birú, fomos até lá pedir que quando chegassem a Tapes telefonassem para uma de nossas casas avisando que estávamos bem e que voltaríamos assim que desse (telefonada que não aconteceu).

Dois dias depois, chovendo ainda, começamos a pensar em voltar mas, para tanto, teríamos que bordejar contra o sul para vencer o pontal. Resolvemos consultar o pescador, que estava abrigado num telhado de santa fé que nem parede tinha, para saber se com aquele vento a gente poderia virar a ponta sem maiores problemas, e levamos uma pequena carta da Lagoa (ainda não existiam as cartas da Marinha), e uma Bússola Bezar, a única a bordo.

Augusto Chagas e amigos nas ruínas da capela do Morro da Formiga, nos anos 60

Tínhamos comentado muito sobre esse pescador, tão estranho na sua maneira de se comportar. Chegados ao abrigo, chovendo, nos convidou para entrar e sentar. Ele estava lendo um grosso volume e o único móvel que tinha era um baú de madeira. Sentamos no chão de areia e expusemos a nossa dúvida.

Para nossa surpresa e para aumentar as nossas suspeitas, ele colocou a carta no chão, pôs a bússola em cima e orientou a carta. Pela direção e intensidade do vento ele achou melhor que esperássemos mais um pouco porque a direção do vento estava começando a mudar.
Ali ficamos tentando puxar conversa para descobrir alguma coisa do personagem. Deu para ver que o livro que estava lendo era um tratado sobre sinais cabalísticos, em espanhol.

Conversa vai, conversa vem, ele acabou contando sua história, começada assim: “Vejam o que a ganância faz com as pessoas. Eu sou paulista e era um grande numismata e filatelista. Um dia numa viagem à Espanha vi uns documentos que falavam de um tesouro deixado pelos jesuítas nas margens da Lagoa dos Patos. Nas minhas primeiras férias vim ao Rio Grande do Sul e, depois de muitas pesquisas, fui parar no Morro da Formiga onde havia uma capela feita pelos jesuítas. Na primeira vez que estive nesse local, lá por 1949, ainda existiam as quatro paredes desta capela.

Na vila de pescadores que havia na Praia do Sítio conheci uma senhora cujo pai tinha ido trabalhar para um padre no Morro da Formiga. Este senhor, quando voltou para casa alguns dias depois estava muito assustado, falando que havia visto coisas muito valiosas e que havia prometido sob juramento ao padre não contar para ninguém. Poucos dias depois foi mandado chamar pelo padre e nunca mais foi visto.

Neste primeiro ano que estive no Morro da Formiga encontrei indícios de que alguma coisa havia de verdade na história do tesouro. De volta a São Paulo continuei a pesquisar, e descobri que naquela zona havia tido uma Missão Jesuítica, que era justamente aquela encarregada de levar os bens havidos no Brasil para a Europa e que, quando da expulsão dos jesuítas, eles não tiveram tempo de embarcar tudo o que tinham. Deixaram escondido ouro e pedras preciosas para depois buscar, e deixaram sinais para que pudesse ser encontrado por quem soubesse interpretá-los.

Nas minhas segundas férias vim novamente e comecei a busca, agora com mais conhecimento. Encontrei, gravado em pedras, sinais cabalísticos que muitas vezes se completavam como, uma cara sem olhos e noutros lugares dois olhos. Havia desenhos de ondas com peixes e outros só de ondas ou só de peixes. Durante esse mês fiz um mapa de tudo o que encontrei e no fim tive que voltar para casa.

Nesse ano que se seguiu continuei a pesquisar e a me especializar em sinais cabalísticos. Minha obsessão pelo tesouro me levou à conclusão de que se eu realmente desejava encontrar alguma coisa, eu tinha que ficar por lá até dar certo. Com esse pensamento vendi as minhas coleções de selos e moedas, me desfiz de outros bens e vim morar no Morro da Formiga (foto abaixo).

Quando aqui cheguei e comecei a estudar aquela infinidade de sinais, me dei conta de que era uma coisa muito inteligente e que eu acabaria descobrindo o código deixado. O problema que eu senti era que, de repente, alguém com mais sorte pudesse encontrar antes de mim.

A solução que encontrei foi marcar num mapa, com todo o cuidado, a posição e o desenho que tinham nas pedras e dinamitá-las depois. Era voz corrente nas cercanias que um louco andava dinamitando pedras para ver se encontrava um tesouro debaixo.

Nesses anos todos em que estou aqui, acabei gastando todo o meu dinheiro e tive que começar a pescar para viver. Pesco o mínimo possível para perder o mínimo de tempo com isso e continuo a minha busca pois cada vez chego mais perto…”

O nome desse senhor é Jorge Lima. Nunca mais o vimos ou ouvimos falar dele.
A capela com o tempo foi totalmente destruída ficando no seu local uma cratera. Vários grupos estiveram nessa busca inclusive com derrocadoras pneumáticas e outras máquinas para remover pedras e escavar. Que eu saiba nunca foi encontrado nada.

Nossa velejada de volta foi sensacional, mestra rizada até a cruzeta, bujinha de temporal na proa, asa de pomba com o croque servindo de pau de espinaquer, bolina quase toda até em cima e, um jacaré depois do outro, sem parar, até Itapuã.
___________
Foto em preto & branco: Augusto Chagas; Foto aérea: Geraldo Knippling

Assunto relacionado: 
A passagem interna do Morro da Formiga

Publicado originalmente no Popa.com.br em 30 Jul 2008

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here